Plural Crepúsculo |O crepúsculo dos deuses

Plural Crepúsculo, 2015

Trabalha naquilo antigo enquanto o mundo se move.
Para o centro de sim mesmo, como se todos os pontos
em que trabalhas fossem o centro do mundo.
— Herberto Helder —

 

Eu compunha poemas em um caderno. Ali, fechadinha no meu quarto. Eu tinha 14 anos e lançava meu primeiro livro, Jogo da Vida. O ano era 1990 e tudo o que sei é que, de repente, eu me vi enfrentando o pânico atávico da minha timidez, nos corredores da Bienal Internacional do Livro.

As coisas não acontecem por acaso ou os livros têm o seu destino… aprendi na carne. A sorte é caprichosa e só faz o que quer. Entre convites, reportagens, recitais, livros, feiras de literatura e programas de rádio foi proferida a sentença: menina prodígio — condenação transitada em julgado; como viver a própria vida?

O pianista Itzhak Perlman se referindo a jovens prodígios da música observa que, ao ouvir uma criança de 10, 8, 2 anos tocando lindamente, logo pensa: quero ver o que ela estará tocando aos 20.

Prodígios arrastam vida afora seus grilhões. Cada passo é marcado pela tornozeleira eletrônica da vaidade; vinte e quatro horas por dia, escoltados pelo grilo falante da autocrítica, jovens prodígios vivem tentando provar a si mesmos que o sentenciante não estava equivocado.

Chega-se aos 20 e então, tornou-se outro Mozart? Ou, aos 20, abandonou aulas e instrumento, já não quer mais saber de música? Para o escritor, parar de escrever era o grande risco? Ou deixar de ler, não publicar, não evoluir em seu estilo?

O que descobri chegando aos quarenta é que nunca fui prodígio: não deixei de escrever, de ler…. publicar, talvez menos. Ou então, descobri a tempo a saída da cela, aquilo que, na verdade, esqueceram de me contar: o que acontece com os jovens escritores prodígio? Eles envelhecem; ainda bem.

 


Publicação da Plural Crepúsculo Scenarium, em novembro de 2015

Plural Red | Road Movie

clone tag: -8785067232152261487

Muito contrariada, aceitou o compromisso. Caía uma chuva miúda. Pediu a última poltrona, janela. Enfiou o rosto na cortina de veludo. Com todos os problemas moendo engrenagem, não queria conversar. Quando o motor ligou, sentiu o incômodo. Pensou na tortura das próximas horas. Aquela trepidação. Tentou achar outra poltrona vaga. Nada, o ônibus estava lotado. Fechou os olhos e passou a ruminar a estrada, seu tanto de cansaço e náusea.
O fim da chuva amornou a viagem. Acomodou-se para um cochilo… Quando se deu conta, a sensação já a tocava em pequenas ondas, uma tensão mínima, uma vontade intensa. Com um certo constrangimento, sentiu a umidade que a nublava. Pagou pra ver, abandonando-se, um pouco mais, naquele sacolejo.
A transformação reivindicou o corpo… Necessidade de expansão, de acomodação, manso e manso, um quase desespero que lhe aquecia as coxas, avermelhava as bochechas. Viu a si mesma, ansiosa, tomada, ingurgitada, intensa, uva madura, gosto de saliva a vinho, sangue na veia, o corpo cada vez mais inclinado intenso, intenso.
O orgasmo feminino consiste em contrações reflexas ritmadas dos músculos perivaginais e perineais que circundam a vagina, a intervalos de 0,8 segundos… leu na Marie Claire, eu acho… Deixava para trás a única vida que conhecia.

 


Publicação da Plural Red Scenarium, em agosto de 2015