Ah, esse sol…

23659795_916579231853577_1229236798_o

“N’ o sol da tarde a metáfora das asas é associada à ideia de renascer e apodrecer, eis que, aquilo que morre, deve morrer definitivamente, deixar de ser para que possa surgir o novo: “… viscosa fruta/ se descompõe/ daqui vejo asas em formação/ remota palavra…” Quando leio o sol da tarde sinto uma voz feminina que luta entre nervos estirados e palmas abertas espiando sua libertação, sua música, borboleta…
Uma poeta, uma mulher que decide mergulhar no reconhecimento da sua linguagem profunda. Momento poético em que a experiência é sonoridade, memória sensível.”

Trecho do prefácio do livro ‘o sol da tarde’, d Anahi Celeste Cao

Para adquirir o livro, clique nesse link…